• siga o )feminal( no twitter
  • comunidade )feminal( no facebook
  • comunidade )feminal( no orkut

Maratonar com leveza, eis o desafio

14 de agosto de 2020

Eloá Muniz*

Em tempos de pandemia maratonar tornou-se um verbo bastante conhecido e propagado. As imagens e o mergulho no desconhecido tornaram o isolamento social uma atividade essencial e fóbica. A ansiedade e o medo apoiado pela mídia catastrófica tornou insuportável a brusca mudança de comportamento social via decreto e orientações desconexas. Uma doença desconhecida e cruel tomou conta do planeta: globalização pandêmica.

Uma sociedade acostumada a viver no público viu-se obrigada a viver no privado. Que privado? Cada pessoa precisou buscar seu cantinho preferido, tanto na casa como na alma. As informações diversas, dispersas e desencontradas. É um game?

Aos poucos uma nova rotina se impôs e a sociedade não estava preparada. Ocupar o tempo. Usar o tempo. Aproveitar o tempo. Tempo para o sol. Onde? Cadê o tempo? Distanciamento. Isolamento social. Aproximação virtual. Espaço fértil para consumir cultura. Os produtos culturais, como um elemento líquido, penetram nos espaços vazios. Surgiu a cultura líquida.

As plataformas de streamings da infoesfera (como Netflix, Amazon Prime Vídeo, HBO, Globoplay, Fox+, Telecine Play e outras) estavam lá. A Netflix com as estratégias mais eficientes identificou a oportunidade de imediato. Ganhou o público com seus produtos culturais, séries e filmes. Ocupou o Top 10 na conexão com o telespectador. Maratonar tornou-se imperativo. A quarentena obrigou os canais abertos a uma programação de reprises e, assim, a migração para novos conteúdos foi rápida.

As redes sociais alavancaram o processo de distribuição e propagação de um novo comportamento: Estou maratonando a série tal. E você? Eu também. Estou adorando esta série. Ou Eu parei de assistir na primeira temporada. Não gostei. A linguagem tornou-se leve, gostei ou não gostei, simples assim.

De repente, as pessoas pararam de se contrapor e passaram a falar de temas amenos. A grosseria de “quem tem razão grita”, perdeu seu efeito devastador, e, finalmente, se poderia conversar nas redes sociais face to face. Cresceram as conexões via WhatsApp. Que susto para o establishment.

A cultura invadiu os lares das pessoas conectadas às plataformas, desterritorializando a cultura como se fora líquida. As séries espanholas e mexicanas chegaram aos corações da audiência surpreendendo, inclusive os executivos da Netflix. Rapidamente a plataforma tornou-se receptora de séries e filmes em língua espanhola fazendo frente às grandes produções norte-americanas. No bojo desses acontecimentos vieram as produções canadenses, alemãs, inglesas, e francesas.

O isolamento social trouxe uma grande mudança de comportamento, os brasileiros passaram a consumir cultura fora do eixo Globo-Hollywood. Descortinou-se uma nova possibilidade de contar e ouvir histórias: as produções europeias.

Portanto, maratonar, uma atividade muito intensa e que ao tornar-se ação efetiva nessa quarentena, passou a significar assistir a uma série sem parar. Ler um livro ou consumir qualquer produto de entretenimento de forma ininterrupta, frenética e incessante, com muito interesse e empolgação tornou-se um comportamento ritualizado, preparar os lanches, organizar o espaço confortável, relaxar e curtir.

Uma ação individual ou coletiva de assistir tornou-se sinônimo de maratonar. Se a televisão tem como característica a tradição humana mais antiga que é a de contar e ouvir histórias, nesse período pandêmico ela apresenta uma audiência não aglomerada, mas muito mais numerosa do que jamais foi possível conseguir na história da humanidade, atender as demandas pandêmicas: isolados, mas virtualmente aglomerados.

Os artistas com o poder de estarem em milhares de lugares ao mesmo tempo conectando-se a pessoas dispersas geograficamente – local e global –, perfeitos simulacros de deuses, contam histórias simultâneas, falando em todos os idiomas, numa verdadeira maratona globalizada. As redes sociais crescem com críticas a favor e contra, revelando que o trinômio drama-conflito-ação parece ser indissociável, não apenas para o cinema clássico, como para todas as linguagens. Mundialização das histórias transmitidas pelas infovias e impulsionadas como culturas líquidas para o consumo na casa ou nas mãos de cada espectador.

O Brasil é um país tradicionalmente afeto aos relatos orais, leituras em voz alta, declamações, histórias continuadas nos serões familiares, local em que nem todos são alfabetizados. A televisão reeditou esse hábito de ouvir histórias em capítulos, reunidos em família, promovendo conversas relevantes. A telenovela narra as histórias, tal como folhetins românticos e heroicos, organiza o cotidiano das pessoas que se acostumaram a assistir o contar e recontar em tempos divididos, sempre no mesmo horário, narrações em forma de diálogos, esteticamente bem apresentados. Os cenários, locações e figurinos apresentam os personagens no contexto de suas histórias contribuindo com a narração não verbal, e os diálogos, luzes e trilha sonora contribuem com o contar da história, a narração verbal. Completam-se para atingirem os sentidos. 

A telenovela é uma obra aberta, portanto, a opinião da audiência é muito relevante, e a história vai se estruturando e se transformando conforme a anuência do público em relação aos personagens. Trata-se de uma forma de contar histórias que ganhou o mundo. Mas parece que a pandemia alterou um pouco essa relação. Os produtos com características de serialidade diária exigem um espectador disposto a assistir todos os dias a mesma história, na mesma hora, e dessa maneira, organize seu cotidiano. Uma ritualização durante um período, estar sempre à frente da televisão naquele tempo e ao mesmo tempo.

Nessa linha de produtos em capítulos existem três tipos diferentes: a telenovela organizada em capítulos, em que o seguinte é continuação do anterior, sem que haja previsão do desenvolvimento e desenlace da história; a série ou seriado é uma sequência de histórias completas – apresentação do tema, problematização e desenvolvimento e finalização – com os mesmos cenários e personagens principais. Cada episódio é independente, não tem compromisso com a continuidade narrativa, apenas manter as características dos personagens fixos; e a minissérie que possui uma história fechada, em capítulos definidos previamente – apresentação dos personagens na história, desenvolvimento e finalização – junto à produção. Constitui-se numa obra fechada.

A televisão de canais abertos e fechados assustou-se, viram sua programação patinar na audiência e anunciantes migrando para outras formas de apresentação de conteúdos. Os tradicionais serviços de TV por assinatura perderam assinantes, enquanto as plataformas de streaming crescem nitidamente. A pandemia acelerou esse processo e a Netflix, a principal plataforma de streaming, ultrapassou as assinaturas de TV a cabo nos Estados Unidos e o Brasil seguiu no mesmo ritmo.

A pandemia impulsionou esse aumento, mas o investimento em conteúdo original foi ainda mais significativo. Mais conteúdo próprio significa independência em relação às emissoras e até economiza nos gastos com direitos de transmissão de conteúdos alheios.

No Brasil os dados da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) mostram que o mercado de TV paga perdeu mais de 10% de sua base. Isso significa que a cada 100 televisores, pelos menos 32 estavam sintonizados na Globo e outros 15 conectados aos serviços de streaming. Os outros televisores dividiram-se entre todos os canais abertos.

As séries espanholas lideram as plataformas de streaming e ganham Top 10, globalizando-se. Obtiveram os maiores índices na recepção das histórias contadas e trouxeram ao mundo uma nova possibilidade, resgatar a teledramaturgia com estrutura de direção artística e roteiros bem escritos. Conteúdos criativos com forte apelo emocional, mas com componentes históricos reais. O feminismo, a sororidade, a sexualidade, as lutas cívicas e o amor romântico desfilaram em épicos folhetins arrebatando os assinantes como há muito não acontecia com as histórias contadas na contemporaneidade. A estética ocupou-se em modelar uma nova forma de contar histórias usando o mesmo modelo shakespeariano.

Os canais de TV aberta ou a cabo terão que rever sua programação. Telenovelas longas demais não serão acompanhadas, tem-se pressa de viver. Temas duros e muito reais não serão arrebatadores, tem-se pressa em sonhar. A falta de otimismo e o fatalismo não terão espaço, tem-se pressa de um novo normal. Cada experiência trouxe um novo alento e uma nova forma de resolubilidade, centrado no eu e, depois, no outro mais próximo. Não há tempo de espera.

A pandemia trouxe um grande aprendizado: o desapego. Para viver é preciso tudo isso? O consumerismo desacelerou. A pandemia ensinando prioridades. Mostrar que o planeta é um só, sem muralhas e sem separações entre as pessoas, as classes sociais desaguaram no vazio. É necessário compreender o novo normal. E qual seria? Quanto mais se vive mais se perde, mas não se pode viver com medo. Relaxar um pouco é preciso. Tentar apreciar o que se tem é viver o presente. Gosto deste presente? Todo o tempo é de ser. Não renuncie a nada.

* Psicanalista Clínica, Publicitária, Professora, Escritora e Ensaísta. www.eloamuniz.com.br. eloamuniz@terra.com.br.