• siga o )feminal( no twitter
  • comunidade )feminal( no facebook
  • comunidade )feminal( no orkut

Jovens cariocas classe C giram R$ 5 bi por ano

13 de fevereiro de 2012

Pesquisa do Data Popular, encomendado pela rádio Beat98, entrevistou duas mil pessoas, com idade entre 15 e 25 anos, no Rio de Janeiro

Teresa Levin

Rádio e internet são as principais fontes de informação dos jovens da classe C carioca, é o que aponta o estudo “Geração C: o Retrato dos Jovens Cariocas”, desenvolvido pelo instituto Data Popular. A pesquisa, encomendada pela rádio Beat98, foi divulgada nesta terça-feira 31, no Rio de Janeiro. Foram entrevistadas duas mil pessoas com idade entre 15 e 25 anos. Atualmente, a classe C carioca envolve um universo de 3,5 milhões de jovens que ganham cada vez mais relevância econômica no núcleo familiar.

De acordo com o estudo, os jovens usam o rádio e a internet para conhecer outras pessoas e baixar músicas, além de procurar dicas de festas e eventos gratuitos, empregos e programas para o final de semana. Para esta geração, não há diferença entre o real e o virtual, os dois universos se misturam e se complementam. Algumas características destes jovens: 79% acessam a internet, 50% têm a internet como principal fonte de informação, 61% acessam as redes sociais e 55% têm o hábito de ler jornal semanalmente.

A pesquisa apontou ainda que este jovem dita tendências e se importa com a família, quebra regras e inventa outras, gosta de moda e consumo. Além destas características ele é, principalmente, formador de opinião. Ele movimenta com o próprio salário mais de R$ 5 bilhões por ano, utiliza cartões (70% de débito; 69% de crédito; 54% de loja) e ajuda financeiramente em casa (23% fazem as compras de mês; 22% pagam contas; 64% são responsáveis pelas compras de itens de tecnologia).

As condições de vida e as perspectivas dele são melhores que as dos seus pais: eles são mais escolarizados e conseguem melhores empregos. Na comparação da média salarial, para cada R$100 que um pai da classe C ganha, os filhos recebem R$ 72,30 – em uma família de elite, este valor cai para R$28,50, em comparação com os mesmos R$ 100 ganhos pelos pais. Eles se enxergam como agentes que contribuem diretamente para a melhoria da família, o que se reflete em suas atitudes. Eles colaboram em casa, cuidam dos irmãos e, principalmente, trabalham e estudam. Por tudo isso, influenciam diretamente na tomada de decisões.

Quando perguntados sobre quais são seus sonhos, a primeira resposta é educação, seguida de trabalho, moradia, família, dinheiro e ser feliz. Este é um jovem responsável, que gosta de sair à noite para ouvir pagode e funk, seus ritmos musicais preferidos, mas acorda cedo para trabalhar e estudar. Ele valoriza sua origem e não quer ser igual ao jovem de elite: se orgulha de sua identidade, só quer ter melhores condições de vida.

Esta também é uma geração que não aceita rótulos, é versátil, adota diversos papéis e não faz parte de nenhuma tribo específica. Tem forte relação com o lar (45% se consideram mais caseiros), que é o seu núcleo mais forte. A família é o principal ponto de apoio, mas a família eleita (amigos e vizinhos) é tão importante quanto seus parentes.

Quanto aos hábitos de consumo, 80% valorizam ofertas e produtos com desconto na hora da compra e 275 mil jovens cariocas da nova classe média fazem as compras de supermercados. Além disso, 67% não gostam de acumular dívidas. Concentra a maioria de suas atividades no bairro onde mora, inclusive grande parte de seu consumo. A Geração C carioca faz suas compras prioritariamente em lojas de rua (62%) e em shoppings (56%). Entre os produtos que gostam de adquirir estão roupas, calçados, acessórios, comidas, lanches rápidos e variedades como DVD´s.

Fonte: Meio & Mensagem