• siga o )feminal( no twitter
  • comunidade )feminal( no facebook
  • comunidade )feminal( no orkut

Mulheres reduzem diferença salarial

24 de setembro de 2014

Eleonora Menicucci

A crise econômica mundial de 2008 deixou sequelas mundiais como desemprego e menores taxas de crescimento.

E a perversidade do impacto sobre as mulheres foi ainda maior. O desemprego aumenta o tempo de trabalho não remunerado (de âmbitos doméstico e assistencial) e a busca de trabalhos sem proteção social (economia informal).

Os países responderam de formas distintas à crise. No geral, as medidas adotadas não levaram em conta a situação específica das mulheres. Muitos deram importância capital ao tema do emprego, como foi o caso do Brasil. Aqui, promoveu-se, por exemplo, a redução de impostos em setores industriais estratégicos, para a preservação de milhares de empregos.

Nesse contexto, o país registrou importantes conquistas das mulheres no mundo do trabalho: maior participação no mercado de trabalho produtivo, mais qualidade nessa inserção e a busca de maior autonomia em suas vidas.

Ademais, foram desenvolvidas políticas voltadas para as necessidades dos segmentos econômicos mais vulneráveis, incluindo as mulheres. Os resultados podem ser vistos na Relação Anual de Informações Sociais (RAIS) sobre o mercado de trabalho formal, referentes a 2013, divulgados recentemente pelo Ministério do Trabalho e Emprego.

A RAIS mostra progresso no combate às desigualdades de gênero no tocante a salários.

O rendimento real médio cresceu 3,18% em 2013, alcançando R$ 2.265,71 em dezembro daquele ano, contra R$ 2.195,78 no mesmomês de 2012. A boa novidade é que o crescimento dos salários femininos superou o dos masculinos.

Enquanto o rendimento dos homens cresceu 3,18%, de R$ 2.375,58 (2012) para R$2.451,20(2013), o delas aumentou 3,34%, passando de R$ 1.953,19 para R$ 2.018,48.

Em outras palavras, as mulheres estão contribuindo relativamente mais do que os homens para a massa global de salários no país.

A mudança de mentalidade diante da questão de gênero é outra conquista fundamental da mulher brasileira. Pesquisa do Instituto Patrícia Galvão/Data Popular reflete essa transformação. Segundo o estudo, 73% das mulheres brasileiras já não acham o trabalho do homem mais importante do que o da mulher. E 91% consideram fundamental o trabalho remunerado em suas vidas.

A pesquisa informa também que o número de mulheres no mercado de trabalho produtivo (formal e informal) cresceu fortemente nos últimos anos. Atualmente, 58% das brasileiras entre 18 e 59 anos estão nesse mercado. Dessas, 39% possuem carteira assinada; 15% são autônomas, 11%, funcionárias públicas; e 3%, empregadoras.Um dado de peso bate de frente contra a mentalidade antiga: 72%das mulheres que trabalham não gostariam de parar para ser sustentadas.

Apesar dos progressos, a igualdade ainda não foi alcançada no quesito salários, trabalho reprodutivo e qualidade. A desigualdade salarial aumenta à medida que a mulher vai galgando postos na hierarquia empresarial e nos empregos mais qualificados.

A mobilidade dentro da organização continua sendo um desafio.

Há pouco tempo, presenciei um fato que atesta isso. Participei de um encontro de uma empresa que prestava contas sobreum programa de promoção de equidade de gênero e raça. Os avanços eram incontestáveis, o que muito me alegrou e estimulou.

Porém, olhando a audiência-composta pela alta gerência, diretoria e vice-presidências- contei nos dedos o número de mulheres.

Oque foi confirmado pelo vice-presidente que dirigia a reunião, ao anunciar com orgulho que uma das duas únicas superintendentes seria nomeada a primeira diretora de toda a história da organização.

Por isso, é imprescindível-não só para as mulheres, mas para o próprio desenvolvimento do país-que não somente no setor público, mas também no privado, as mulheres e os movimentos sociais continuem trabalhando em parceria para o desenvolvimento de políticas mais inclusivas, com vistas a se alcançar uma sociedade mais justa e igualitária.

É necessário que as políticas salariais sejam sensíveis às questões de gênero. Isto é, devem promover uma redistribuição progressiva e efetiva da renda e da riqueza entre mulheres e homens. As empresas devem ser estimuladas a promover equidade de gênero também quando se trata de políticas de progressão na carreira.

Afinal, o fundamento óbvio, mas ainda não exercido em sua plenitude no nosso país, é que uma nação justa deve basear-se em fundamentos éticos sólidos, que reconheçam e assegurem a igualdade de direitos econômicos, políticos, sociais e culturais entre todas as mulheres e homens.

Ministra da Secretaria de Políticas para as mulheres da Presidência da República